in

A MGLU3 é a nova Magazine Luiza

Enquanto todos procuram, ela inova e acaba sendo a queridinha novamente.

MGLU3 é a nova MGLU3

OIBR3, COGN3, VVAR3 ou qualquer outra empresa será a nova MGLU3? Ou podemos seguir a lógica de que a própria Magazine Luiza será a próxima Magazine Luiza?

Foram mais de 60mil% em 5 anos ou menos, a empresa saiu de uma mera empresa de varejo para um colosso de inovação e tecnologia, o foco atualmente não é mais a venda de refrigeradores e tvs smart, o foco atualmente é inovar e rentabilizar os clientes já fiéis da empresa.

mglu3 magazine luiza

O medo dos novos investidores é olhar para o gráfico que não parou de crescer pelos últimos anos e não conseguir visualizar mais crescimento baseado nisso. Por isso, precisamos ir mais a fundo para entender o negócio e começar a entender se faz sentido ou não adicionar a MGLU3 a carteira atualmente, entendendo a situação do negócio e o poder que atualmente a empresa tem.

Vamos aos FATOS sobre MGLU3

A empresa trabalho arduamente durante anos para colocar em prática o audacioso plano do Omnichannel quando ninguém ainda pensava sobre isso aqui no Brasil, quando o COVID19 chegou a empresa já estava em estado avançado e conseguiu manter os seus números de forma saudável dentro do possível. Assim como todo negócio ela sofreu, mas como tinha um caixa absurdamente maior que a dívida ela conseguiu apenas passar por isso sem maiores danos.

Pra quem não sabe, Omnichannel é você trabalhar o seu cliente de uma forma que fidelize ele para usar toda a sua estrutura sem esforço a mais. Você naturalmente faz com que ele utilize seus sites, apps e ferramentas auxiliando durante o dia a dia e fazendo com que ele dependa cada vez mais de você.

Exemplo prático: Você cria um app que faz a gestão do seu próprio cartão, nesse app a pessoa pode conversar com o suporte para resolver problemas e ao mesmo tempo pode encontrar maiores ofertas em outros parceiros ou negócios que você executa.

Uma outra empresa que está passando por essa modificação é a LJQQ3.

O plano da Magazine Luiza sempre foi digitalizar o varejo brasileiro, ou seja, criar uma estrutura onde o varejo dependa dela para vender os seus produtos. E chegou a hora de colocar o plano em prática.

omnichannel

Desde a criação do Marketplace, vários negócios pelo país demandam da MGLU3 para venderem os seus produtos. O tio que na cidade de Criciúma vendia refrigeradores apenas para a cidade atualmente pode se cadastrar na Magazine e vender o mesmo refrigerador para todo o país, a magazine oferece aos seus concorrentes uma oportunidade de utilizar a base de 100 milhões de clientes mensais que ela tem para vender produtos diversos.

O que ela ganha com isso tudo? PODER!

Chegou a hora de trabalhar menos com o Braço e mais com o Cérebro, chegou a hora de monetizar os acessos que a empresa tem.

O mesmo tio que antes não venderia a geladeira, agora consegue um comprador lá na Bahia que precisa daquele modelo e compra através do site Magazine Luiza, com a segurança que a marca trás e a logística de entrega da empresa.

O cliente paga R$3 mil na geladeira, recebe em casa. O tio que vendeu recebe seus R$300 de lucro e paga R$100 para a MGLU3, além dos custos de transporte caso necessário. A Magazine tirou um lucro líquido de 3% sem fazer força alguma a mais, apenas oferecendo espaço aos que tinham o produto e não vendiam.

Utilizar uma geladeira como exemplo pode tornar tudo mais difícil, mas agora imagine as possiblidades. A magazine abre um leque de opções, podendo oferecer aos mesmos 100 milhões de usuários mensais produtos de supermercado, calçados, vale combustível, produtos artesanais e tudo mais que ela não venderia antes em uma loja própria.

Monetizar o PÚBLICO de uma forma mais inteligente

Alguns anos atrás quem fez isso foi a Amazon.

A empresa americana criou serviços extras que iam além da venda de livros para monetizar de forma mais inteligente os seus clientes, criou canais de comunicação entre os produtos e criou um ecossistema baseado na integração.

A imagem abaixo mostra os negócios da gigante americana, o círculo verde no interior são empresas que foram compradas pela Amazone que atualmente fazem parte do ecossistema Omnichannel da empresa.

Negócios logísticos, livros, portais de notícias, serviços de streaming, escola de educação técnica, serviços de inteligência e auxilio além de serviços de servidor cloud.

Agora dê uma olhada no ecossistema da gigante brasileira MGLU3.

Nada aqui é mera coincidência, é uma estratégia de monetização de público e vender para quem já é cliente. A Magazine Luiza iniciou o processo com empresas financeiras, oferecendo seguros para os seus produtos e expandindo para seguros residenciais além de consórcios e crédito pessoal aos clientes mais assíduos.

Depois iniciou o processo de compra de negócios complementares como Netshoes e Época Cosméticos, negócios que atualmente já rodam interligados ao MGLU3.

O passo atual é a compra de portais de notícias para o controle de informação e manutenção da publicidade oferecida aos clientes em potencial.

Isso é monetizar quem já é cliente de forma exponencial e inteligente, pegar quem já conhece o sistema e oferecer serviços que essa pessoa compra em outro lugar fazendo com que ela compre cada vez mais nas empresas da marca.

Quem compra uma geladeira precisa de tênis.

Quem compra uma TV Smart acaba pedindo comida no Ifood.

Quem compra um sofá acaba comprando um perfume ou maquiagem.

Se você tem 100 milhões de clientes fiéis, porque não oferecer a chance de comprarem também isso dentro do seu próprio app. Caso precise, pra você ter uma noção do tamanho disso:

 

ifood mglu3

O Ifood bateu 12 milhões de usuários ativos. Será que o aiqfome, uma das últimas aquisições da Magazine Luiza tem poder para crescer no país todo? Enquanto o Ifood está presente em 500 cidades, a Magazine Luiza está presente em mais de 800 cidades com mais de 1300 lojas.

Mas e a Amazon?

Muita gente questiona isso, a Amazon vai desbancar a MGLU3 quando vier com força para o Brasil.

A verdade é que não é bem assim, a própria Amazon tem concorrência pesada nos EUA e não nada sozinha, empresas como Apple, Walmart e Google acabam sendo negócios concorrentes, a empresa não pode simplesmente sair investindo pesado em outros países porque perderia posto nos EUA.

O Brasil não é para amadores, isso não é uma piada é uma realidade. O Brasil é uma país de dimensão continental e que demanda alto investimento para a entrada, a própria MGLU3 está investindo pesado por anos em logística e somente agora conseguiu organizar a casa.

A Amazon pode vir para o Brasil com mais força, mas não faz exatamente porque demandaria dinheiro demais se posicionar como a primeira por aqui, ela não vai deixar o mercado americano para focar no Brasil. (Pelo menos é o que eu penso!)

É isso, acredito que a MGLU3 é a nova MGLU3.

What do you think?

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0
casa-de-analise-o-que-e-1024x640

Casa de Análise: Posso comprar o que elas indicam?

trxf11 x hgru11

TRXF11 ou HGRU11 – Fundos Imobiliários de Varejo