HGRU11 – CSHG Renda Urbana FII

Eu quero te mandar alguns Ebooks de Graça, deixe o seu Email.

    Share on facebook
    Facebook
    Share on twitter
    Twitter
    Share on whatsapp
    WhatsApp
    Share on telegram
    Telegram
    Share on pinterest
    Pinterest

    Neste artigo, vamos discutir um pouco sobre o CSHG Renda Urbana, ou HGRU11, um dos fundos de investimentos imobiliários (FIIs) que cresceu absurdamente no último ano.

    Lançado em abril de 2018, o HGRU11 não era considerado um dos fundos “mais detectados pelos radares dos investidores” em renda variável, até que a gestora fez movimentos estratégicos para expansão do fundo.

    De fato, o crescimento do HGRU11 no último ano se deu pela competência da gestão da Credit Suisse Hedging-Griffo (CSHG) em lançar emissões e alocar rapidamente os recursos obtidos para a aquisição de imóveis.

    Por consequência, a rapidez da gestão fez com que o HGRU11 tivesse um ganho de valor de mercado gigantesco!

    Atualmente, em junho de 2020, o fundo tem seu valor de mercado superior a 1,1 bilhão de reais!

    Além disso, a CSHG  também é conhecida pela gestão de outros FIIs muito conhecidos como: HGLG11, GRLV11, CBOP11, HGCR11 e HGRE11.

    Aqui no blog tem um artigo que fala sobre o HGLG11. Para acessar, basta clicar aqui.

    Então, por esses fatos, resolvi escrever esse artigo discutindo um pouco sobre o fundo.

     

    O regulamento do Fundo

    No anexo I do regulamento do HGRU11, a gestora discute a política e os critérios de aquisição de ativos. Nesse sentido, a gestora define como critérios fundamentais os pontos listados na figura 1.

    Critérios de aquisição de ativos
    Figura 1: Critérios de aquisição de ativos pelo fundo.
    Fonte: Regulamento do HGRU11.

    Certamente, conforme visto na figura 1, a política da CSHG no estudo de viabilidade de aquisição de imóveis para o HGRU11 é bastante detalhista.

    Nesse sentido, existe a possibilidade de investimentos em imóveis em qualquer localidade do Brasil, desde que sejam centros urbanos.

    Assim, num mercado crescente, isso é uma baita vantagem, pois a gestora pode adquirir imóveis em cidades menos concorridas, o que proporciona negociações com preços mais atrativos.

    Mas, Rodrigo, quais os tipos de imóveis que o HGRU11 pode adquirir?

    Sequencialmente, o anexo I do regulamento do fundo define o tipo de imóvel que pode fazer parte do portfólio do mundo. A figura 2 mostra o parágrafo que discute este ponto.

    Tipos de imóveis que podem ser adquiridos pelo HGRU11
    Figura 2: Tipos de imóveis que podem ser adquiridos pelo HGRU11.
    Fonte: Regulamento do HGRU11.

    Desse modo, o HGRU11 prioriza “a aquisição de empreendimentos imobiliários prontos e devidamente construídos, terrenos ou imóveis em construção, voltados para uso institucional ou comercial”.

    Ou seja, ao investir em imóveis institucionais e comerciais, o HGRU11 passou a ser um fundo híbrido!

    Além disso, o fundo não prioriza o investimento em imóveis dos segmentos mais tradicionais de FIIs como: logístico, lajes corporativas e/ou shopping center.

    Surpreendentemente, no momento do mercado atual, alguns FIIs têm focado no crescimento de seu portfólio pela aquisição e incorporação de imóveis nos segmentos institucionais e comerciais como o HGRU11 e o RBVA11.

    Se você tem dúvidas sobre os fundos híbridos e quer saber mais sobre a minha visão sobre eles, leia esse artigo.

    Um pouco sobre o histórico do HGRU11…

    Em princípio, a primeira emissão de cotas do fundo encerrada em 27 de abril de 2018, permitiu a aquisição de um imóvel educacional locado para IBMEC.

    Este imóvel está bem localizado no bairro da Barra da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro.

    Mesmo com o imóvel sendo bem localizado e com um inquilino bastante forte no seu segmento de atuação, o fundo tinha apenas 1896 cotistas ao final do primeiro ano.

    Além disso, o HGRU11 era um fundo monoimóvel / monoinquilino, o que representava um risco maior de exposição a um mercado que começava a se movimentar para crescer.

    Desse modo, a CSHG numa movimentação de mercado extremamente estratégica lançou o prospecto definitivo da segunda emissão de cotas em 17 de outubro de 2019.

    Surpreendentemente, o pipeline do prospecto definitivo mostrou a potencial aquisição de mais 12 imóveis com Cap Rate médio de 8,8 %, considerado um valor bem atraente.

    Embora o fundo estivesse ampliando absurdamente o seu portfólio, 10 imóveis comerciais seriam locados para o mesmo inquilino (WMB Supermercados do Brasil LTDA) e 2 imóveis seriam locados para instituições educacionais.

    Com a ótima estratégia da gestora e a aquisição dos imóveis do pipeline, o HGRU11 se tornou um fundo com maior visibilidade no mercado, alcançando 45.000 cotistas em maio de 2020.

    O HGRU11 atualmente…

    Recentemente, em maio de 2020, a gestora anunciou a terceira emissão de cotas para investidores profissionais e cotistas do fundo.

    A terceira emissão de cotas visou arrecadar um valor total de R$ 300 milhões, sendo o mínimo de arrecadação de R$ 20 milhões, direcionados à aquisição de imóveis menores.

    Nesse sentido, a gestora aproveitou a crise ocasionada pela pandemia de COVID-19 e buscou novas oportunidades para investir em imóveis com preços mais “descontados”.

    As aquisições mais recentes do fundo foram: o Edifício Santo Alberto, localizado na cidade de São Paulo e o Edifício da Estácio, localizado em Salvador, com Cap Rate de 8,71 e 11,3 %, respectivamente.

    Como resultado,em junho de 2020, o portfólio do HGRU11 tem 14 imóveis (Figura 3), o que garante uma grande diversificação ao fundo num mercado competitivo.

     Distribuição geográfica dos imóveis do HGRU11
    Figura 3: Distribuição geográfica dos imóveis do HGRU11.
    Fonte: Relatório Gerencial do HGRU11 (maio / 2020).

    De acordo com a figura 3, é possível ver que os imóveis estão distribuídos em 4 estados, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Paraná.

    Embora haja grande diversificação em número de imóveis, os imóveis estão concentrados nas cidades de São Paulo (41,8 %) e Rio de Janeiro (14,1 %).

    Minha opinião sobre o HGRU11…

    Na minha visão, o HGRU11 é um dos fundos que mais cresceram dentro do cenário atual do mercado de fundos imobiliários no Brasil.

    Desse modo, é natural que o fundo chame a minha atenção, pois estudo constantemente os movimentos das gestoras e quais são os impactos desses movimentos nos FIIs.

    Atualmente, o HGRU11 ainda está no meu radar, ou seja, ainda não o tenho em carteira.

    Em primeiro lugar, penso que a concentração de 10 imóveis do fundo locados para o mesmo inquilino como um ponto preocupante, embora o inquilino seja bom.

    Em segundo lugar, acredito que os imóveis poderiam estar menos concentrados nos grandes centros urbanos, principalmente no município de São Paulo.

    Então, embora a gestora seja excelente, no momento, prefiro acompanhar o desenvolvimento do fundo para que esses fatores sejam diluídos.

    Assim, ficaria mais tranquilo para aportar no HGRU11.

    Você tem HGRU11? O que acha do fundo?

    Até a próxima!

    Share on facebook
    Facebook
    Share on twitter
    Twitter
    Share on whatsapp
    WhatsApp
    Share on telegram
    Telegram
    Share on pinterest
    Pinterest

    Últimos artigos

    Artigos Passados

    Que tal dar um gás no seu Aprendizado?

    Faça algum dos nossos cursos e aprenda mais rápido e melhor!