in

O que é Small Caps? Quais as mais conhecidas Small Caps hoje?

Ao contrário das blue chips, as small caps são empresas de menor patrimônio líquido.

Certamente, os investidores de renda variável já ouviram falar das blue chips como Petrobrás e Vale, contudo nem todos os investidores sabem o que é small caps e quais as small caps mais conhecidas hoje.

As Small Caps (SC) são empresas que tem menor patrimônio líquido em comparação às empresas chamadas blue chips.

Entretanto, ao contrário das blue chips, as small caps têm grande potencial de crescer exponencialmente, o que permite a sua valorização mais expressiva no longo prazo.

Sendo assim, o artigo de hoje vai falar sobre o que é small caps e quais as small caps mais conhecidas hoje na bolsa de valores.

O que é Small Caps?

As Small Caps são empresas que tem menores patrimônios líquidos em comparação as empresas chamadas de Blue Chips.

Em outras palavras, estas empresas tem menor capacidade de capitalização.

Por consequência, elas têm um menor valor de mercado. Sendo assim, o valor de mercado destas empresas está entre R$ 4 bilhões e R$ 6 bilhões.

Por isso, normalmente as Small Caps são empresas consideradas novas em seus segmentos de atuação e que tem maior potencial de valorização do seu capital aberto.

Além disso, estas empresas também podem atuar em segmentos menores e menos tradicionais, o que torna o investimento neste tipo de empresa ainda mais arriscado.

Qual o risco de investir em Small Caps?

Embora sejam empresas com maior potencial de crescimento no longo prazo, o investimento em Small Caps apresenta alguns riscos.

Este tipo de empresa pode apresentar maior volatilidade das ações, o que traz maior probabilidade de valorizações e desvalorizações mais acentuadas.

Em função disso, surge um segundo risco que é o risco de liquidez de mercado, pois normalmente os papéis destas empresas são negociados em um menor volume de mercado.

Isso quer dizer que o investidor pode ter dificuldade se quiser realizar uma venda pela falta de compradores, principalmente quando o investidor tem uma posição grande do ativo em carteira.

O terceiro risco de investir nestas empresas é simplesmente as ações não valorizarem ao longo do tempo.

Este fato pode ocorrer por vários fatores como: ineficiência do modelo de negócio da empresa, baixa geração de lucro, alto grau de alavancagem da empresa e governança corporativa inadequada.

Por isso, o investidor deve acompanhar as apresentações institucionais e relatórios trimestrais das small caps para acompanhar qual o posicionamento estratégico da empresa perante o mercado de renda variável.

Então, a princípio, a melhor fonte de informações sobre essas empresas é o site de relações com investidores, comumente chamado de RI.

Contudo, isso vale para qualquer papel, independente do tipo de empresa.

Índice Small Caps (SMAL11)

O índice Small Caps, ou SMAL11 é um ETF negociado na B3.

Em outras palavras, o SMAL11 é um ativo que replica um índice específico que no caso é representado por diversos ações de empresas classificadas como Small Caps.

Sendo assim, o ETF SMAL11 vai apresentar rentabilidade de acordo com o desempenho do índice SMLL (Figura 1).

small caps
Figura 1: Alguns dos ativos que compõe o SMLL.
Fonte: b3.com.br

Por exemplo, no segmento de bens industriais e materiais de transporte, o SMLL têm empresas como Marcopolo (POMO4), Embraer (EMBR3) e Tupy (TUPY3).

Como investir em Small Caps?

O primeiro passo para investir numa Small Caps é analisar a empresa, ou seja, o investidor deve compreender como funciona o modelo de negócio.

Por exemplo, caso o investidor opte por investir numa empresa como a SLC Agrícola (SLCE3), certamente terá que entender como funciona o setor agro no Brasil.

Desse modo, o investidor consegue acompanhar e, acima de tudo, compreender a estratégia feita pela gestão da empresa.

Outro aspecto fundamental é que o investidor leia os documentos publicados periodicamente pelas Small Caps como apresentação institucional e resultados trimestrais.

Através dessa leitura, o investidor consegue ter uma ótima noção dos movimentos deste tipo de empresa naquele momento.

Após a leitura dos documentos essenciais, o investidor deve analisar os fundamentus da Small Caps para identificar se investir na empresa é de fato uma oportunidade.

Em seguida, caso o investimento faça sentido para o investidor, ele deverá abrir o homebroker de sua corretora e comprar ações da Small Caps.

Quais são as ações Small Caps mais conhecidas?

Com o objetivo de mostrar algumas das empresas small caps mais conhecidas do mercado de renda variável, vamos apresentar um breve resumo sobre algumas destas empresas.

Camil (CAML3)

A Camil Alimentos foi fundada na década de 1960 e é uma das maiores companhias do setor alimentício da América Latina.

A empresa tem um modelo de negócio baseado na cadeia de processamento e distribuição de alimentos como arroz, açúcar, sardinha e atum em conserva.

O modelo de negócio da CAML3 é baseado na aquisição de marcas icônicas como Arroz Camil, açúcar União, sardinha e atum das marcas Coqueiro e Pescador.

Energias do Brasil (ENBR3)

Outra empresa considerada small caps é a Energias do Brasil, ou ENBR3.

A Energias do Brasil é uma empresa que atua na geração, transmissão e distribuição de energia elétrica.

O modelo de negócio desta empresa é baseado na atuação nos diversos segmentos com o objetivo de atender toda a cadeia de produção e distribuição de energia elétrica.

Sendo assim, a ENBR3 tem grande potencial de diversificação do seu modelo de negócio nos próximos anos.

Fleury (FLRY3)

O grupo Fleury, ou FLRY3, é um dos mais renomados centros de medicina diagnóstica e laboratórios de análises clínicas do Brasil.

A FLRY3 tem o modelo de negócio baseado na incorporação de laboratórios e centros de medicina diagnóstica regionais ao seu portfólio.

Além disso, o grupo Fleury aposta na inovação e no investimento em testes de análises clínicas mais avançados como serviços diferenciais.

MDias Branco (MDIA3)

A MDias Branco é a líder nacional nos mercados de massas e biscoitos, através do uso de um modelo de negócio baseado em crescimento orgânico estratégico.

Além disso, esta empresa vem ampliando sua participação no mercado nacional de farinha de trigo com objetivo de reduzir os custos de produção.

A MDIA3 tem um modelo de negócio que é voltado para a aquisição de marcas icônicas como Adria, Richester e, mais recentemente, Piraquê.

Taesa (TAEE3, TAEE4 e TAEE11)

A Taesa é uma das empresas mais conhecidas do setor de energia elétrica da bolsa de valores.

O modelo de negócio desta empresa é baseado no segmento de transmissão de energia elétrica, ou seja, a empresa atua entre a cadeia de geração e distribuição.

Atualmente, a Taesa tem cerca de 13 mil quilômetros de linhas de transmissão que conduzem a energia elétrica para diversos estados brasileiros.

Conclusão

Em conclusão, é possível afirmar que as small caps são empresas com maior potencial de crescimento exponencial no longo prazo.

Entretanto, é importante saber que estas empresas apresentam maior volatilidade e menor liquidez, principalmente nos primeiros meses de negociações na B3.

Algumas das ações da empresas Small Caps são muito conhecidas como CAML3, FLRY3, ENBR3, TAEE11 e MDIA3.

Você gosta de investir neste tipo de empresa? Diz aí nos comentários!

Então, é isso pessoal!

Um forte abraço,

Rodrigo Colombo

What do you think?

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

HGLG11 ou KNRI11? Quem tem a maior rentabilidade histórica?

finanças pessoais

Finanças pessoais: dicas e erros mais comuns