RBRP11 subscrição e quinta emissão de cotas

Eu quero te mandar alguns Ebooks de Graça, deixe o seu Email.

    Share on facebook
    Facebook
    Share on twitter
    Twitter
    Share on whatsapp
    WhatsApp
    Share on telegram
    Telegram
    Share on pinterest
    Pinterest

    Sem dúvidas, os fundos de tijolo híbridos têm se destacado no mercado de fundos imobiliários. Os fundos imobiliários como o RBRP11 tem crescido bastante pela emissão e subscrição de novas cotas.

    O RBR Properties é um fundo com a gestão da RBR Asset Management que tem uma carteira de ativos bastante diversificada.

    Este fundo é um dos FIIs que ganhou destaque ao longo do ano de 2020 pela sua proposta de investimento e por sua diversificação de ativos.

    Assim sendo, o RBRP11 tem apresentado um fluxo de dividendos crescente e um aumento do número de cotistas do fundo.

    Por isso, no artigo de hoje, vamos falar sobre o RBRP11, mais especificamente, sobre a quinta emissão e subscrição de cotas.

    O que é RBRP11?

    De acordo com o relatório gerencial do fundo, o RBRP11 é um fundo imobiliário de tijolo do segmento híbrido.

    O RBRP11 teve seu início de negociações na bolsa de valores no ano de 2014 com um prazo indeterminado de duração.

    O objetivo do fundo é gerar renda aos cotistas através da locação de galpões logísticos e prédios corporativos em que o fundo pode ter participações majoritárias ou minoritárias.

    Atualmente, o RBR Properties investe prioritariamente em imóveis localizados nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

    Além disso, a gestão ativa do fundo é feita pela RBR Asset Management que faz um bom trabalho até o presente momento.

    Segundo o site MundoFII, a gestão do fundo tem três estratégias principais:

    • CORE: investimento em imóveis para o longo prazo (70-100%).
    • TÁTICO: investimento em cotas de FIIs listadas na bolsa, buscando ganho de capital (0-30%).
    • DESENVOLVIMENTO: investimento em imóveis em construção ou que precisam ser reformados para serem usados (0-10%).

    O fundo ainda tem uma parte do seu capital em caixa, na forma de letras de crédito imobiliário (LCI) ou letras de crédito do agronegócio (LCA).

    Atualmente, o RBRP11 tem 11 ativos imobiliários que somam uma área bruta locável de 52,5 mil metros quadrados.

    Os ativos imobiliários do fundo são instituições de ensino e edifícios corporativos localizados preferencialmente no Estado de São Paulo.

    A saber, o RBRP11 investe em imóveis logístico através de sua participação no fundo RBRL11.

    Desse modo, em fevereiro de 2021, o RBRP11 tem participação de 32 % no fundo logístico da RBR Asset Management.

    Além disso, os imóveis do fundo tem uma vacância física de 10 %, enquanto a vacância financeira é de cerca de 11 %.

    Hoje, o fundo tem um patrimônio líquido de R$ 750 milhões com um valor de mercado de R$ 780 milhões.

    A seguir, vamos falar sobre a emissão e a subscrição do RBRP11, ou RBR Properties.

    RBRP11 quinta emissão e subscrição de cotas

    Recentemente, em fevereiro de 2021, a gestora do RBRP11 lançou uma nova emissão e subscrição de cotas.

    Na quinta emissão e subscrição de cotas do fundo, a data base foi dia 19 de fevereiro de 2021.

    O período de negociação das cotas durante a quinta emissão é de 26 de fevereiro a 08 de março de 2021 com um direito de proporção de 0,46, ou seja, cerca de 46 %.

    Além disso, o período de liquidação é de 26 de fevereiro a 10 de março de 2021 com data de liquidação até o dia 11 de março de 2021.

    No caso, o cotista que tem 100 cotas pode subscrever 46 novas cotas do RBRP11.

    Dessa maneira, caso o cotista desejar adquirir novas cotas do RBR Properties, ele pode participar do período de sobras.

    Este período dura até o dia 18 de março com a liquidação das cotas no dia 19 de março.

    Assim, a emissão tem data prevista de encerramento para o dia 01 de abril de 2021.

    Agora, vamos analisar os dados econômicos da quinta emissão e subscrição do RBRP11.

    Os atuais cotistas do fundo podem exercer integral ou parcialmente o direito de preferência de cotas do fundo.

    Além disso, caso o cotista não ache válido investir um montante adicional no RBRP11, ele pode não adquirir novas cotas do fundo.

    A princípio, o preço de subscrição de cotas é de R$ 88,27.

    Caso o investidor queira entrar no RBR Properties durante a quinta emissão, deverá investir o montante de R$ 10.062,78, o que equivale a 114 cotas do RBRP11.

    A proposta de captação de recursos da quinta emissão e subscrição do RBRP11 é de um montante mínimo de R$ 30 milhões com um montante máximo de R$ 420 milhões.

    RBRP11 vale a pena participar da emissão e subscrição?

    O foco central de aquisição do pipeline da quinta emissão e subscrição do RBRP11 é o edifício River One, localizado próximo a Marginal Pinheiros em São Paulo.

    O ativo ainda está em construção e o objetivo é construir o prédio com 24 mil metros quadrados de área.

    O grande problema dessa aquisição é que após a emissão, o edifício River One vai representar cerca de 50 % do portfólio de imóveis do fundo.

    A área em que o Edifício River One está localizado tem diversos prédios de outros fundos imobiliários na forma de prédios corporativos e shopping centers.

    Além disso, com o restante do montante, o fundo deseja adquirir novas lajes corporativas menores localizadas na área da Avenida Paulista.

    Assim, na minha opinião, embora a localização seja próxima a marginal pinheiros, a aquisição tem um baixo Cap Rate.

    O retorno estimado para o fundo é entre 7 a 8,5 % ao ano, a considerar o valor da emissão da cota R$ 88,27.

    Então, sobre participar ou não participar dessa emissão, cabe ao cotista ponderar se vale a pena investir e participar da subscrição do RBRP11.

    Penso que caso o cotista se sinta confortável com as condições descritas no prospecto da emissão, ele deve exercer o seu direito.

    Em contrapartida, caso o cotista não se sinta satisfeito com o cenário, ele deve manter a sua posição no fundo.

    Conclusão

    O artigo de hoje falou um pouco sobre a emissão e subscrição do RBRP11, um fundo que tem ganhado destaque junto aos investidores de renda variável.

    Além disso, foi discutido um pouco sobre o que é o RBRP11 e um pouco da visão se vale ou não a pena participar da emissão do fundo!

    Por hoje é só!

    Um forte abraço,

    Rodrigo Colombo.

     

    Share on facebook
    Facebook
    Share on twitter
    Twitter
    Share on whatsapp
    WhatsApp
    Share on telegram
    Telegram
    Share on pinterest
    Pinterest

    Últimos artigos

    Artigos Passados

    Que tal dar um gás no seu Aprendizado?

    Faça algum dos nossos cursos e aprenda mais rápido e melhor!