VINO11 – A Compra do Prédio da Globo

Autor(a):

No dia 17 de dezembro o VINO11 anunciou a compra da SEDE da Globo em uma operação de SLB, e isso gerou um desconforto aos investidores do fundo.

Em um primeiro momento eu achei que fosse apenas preconceito e aquela baboseira de que a Globo está falindo, mas de tanto me perguntarem eu decidi ler o fato relevante sobre o movimento.

Em um primeiro momento não tenho muito o que falar sobre o imóvel em si, afinal é um prédio icônico em uma região de valor “emocional” muito alto, os jornais regionais da Globo são transmitidos desse prédio com o pano de fundo da Ponte Estaiada, o prédio fica na Chucri Zaidan, bem ao lado da ponte e das marginais.

Mas então o que tem de errado na COMPRA do VINO11?

Alguns pontos podem ser colocados como problemáticos, pontos como:

  • Alavancagem para a compra;
  • Grande exposição ao inquilino GLOBO dentro do fundo;
  • Necessidade de uma emissão para inteirar o valor da compra;

compra vino11

Talvez esse tenha sido o principal ponto para os cotistas desgostarem do movimento do fundo, afinal o valor total da aquisição é de R$522 milhões, com CAP de 7,6% e com a necessidade de movimentações externas para finalizar a compra.

35% do valor da compra viria de uma nova emissão do fundo, o que nesse momento seria um problema.

Problema porque mesmo anunciando que o valor da emissão está em linha com o VP do fundo, quem vai arcar com os custos da emissão será o próprio fundo, ou seja, todos os cotistas pagam, participando ou não da emissão.

E é claro, descontando o custo da emissão, temos uma emissão abaixo do VP ou simplesmente maquiada para que não fosse anunciada dessa forma.

Os outros 65% viriam de um CRI, uma ferramenta financeira para comprar sem precisar de dinheiro hoje, criando uma espécie de financiamento.

O que dificulta ainda mais o caso:

  • Uma emissão não sendo tão boa;
  • CAP modesto;
  • Compra sem dinheiro;

Mesmo não sendo a melhor emissão, também não é tão ruim, acabou saindo bem em linha das que a VINCI já fez.

Pra mim, talvez o maior problema seria a grande exposição à Globo, sendo que o fundo terá quase 40% da Empresa ao final do processo.

Não é problema gigante, e nem tão grande para que tanta gente comentasse ou se preocupasse.

Pra mim, a VINCI só fez o que costuma fazer em todos os fundos da casa, uma gestão extremamente ativa que faz de tudo para tentar pegar o melhor momento dos negócios que entra.

Se isso é bom eu não sei.

Não tenho fundos da VINCI e também não tenho fundos de lajes puros como o VINO11.

Vida que segue e só mais uma tempestade da galera.

Já vimos coisas piores por ai.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.